terça-feira, dezembro 11, 2018
Automobilismo

Motores a reação de gases: Motores a “Explosão”

Os motores a reação de combustão interna possuem um sistema de funcinamento à base de expansão de gases, que são produzidos após uma reacão química. Essa reação química nada mais é do que a transformação de energia térmica em energia mecânica. Esse processo funciona em um sistema chamado de motor de quatro tempos. A denominação de quatro tempos se deve a sua forma de divisão física do funcionamento do motor.

Imaginem esses motores a reação como uma caixa, onde existem duas cavidades para a entrada do combustível e a saida dos gases após a queima deste. No centro dessa “caixa” existe um cilindro chamada de pistão. O pistão fica posicionado estrategicamente para acionar a entrada do combustível e a saida dos gases depois da queima. Primeiro momento: com um impulso inicial (podendo ele ser de produzido manualmente ou por natureza elétrica) o pistão passa a produzir movimentos rotativos acionando assim a válvula de combustível fazendo com que este peencha a “caixa” do motor.

Segundo momento: a própria inércia da descida do combustível pela válvula impulsiona o pistão, fazendo com que ele gire comprimindo o combustível na parte superior da “caixa” onde se encontram as velas do motor. As velas são acionadas eletricamente a fim de produzirem faíscas que farão com que esse combustível entre em combustão.

Terceiro momento: A queima irá produzir gases que vão se espandir, e, devido ao pouco espaço irá impulsionar novamente esse pistão fazendo-o descer devido a forte pressão. Quarto momento: com a descida do pistão os gases da queima irão sair. Devido ao movimento de inércia, esse cilco se repetira continuamente.

Vale lembrar que esse esquema de funcionamento de motores a reação, foi citado nos modelos de quatro tempos. Porém há também os motores a reação de dois tempos mas apresentam menos eficiência apesar do seu tamanho reduzido e sua alta potência.