terça-feira, dezembro 11, 2018
Automobilismo

Corolla 2015: ainda vale o preço?

Para a categoria dos sedãs médios, o Toyota Corolla 2015 possui credenciais. Desde a criação de seu primeiro modelo, lançado em 1966, mais de 40 mil unidades foram vendidas mundialmente [Fonte: Toyota].

Pontos fortes: produto de qualidade e exigência de pouca oficina. São os aspectos principais que o torna um dos modelos que mais desperta interesse no público brasileiro, bem como alguns outros japoneses feitos no país.

O fato de ter boas vendas no mercado não fez com que não possuísse modificações em sua 11ª geração. Apresentando uma nova plataforma, sua carroceria possui um aspecto maior e aspecto final mais jovial, porém sem perder sua aparência de sobriedade, o que encanta o consumidor brasileiro.

Com cerca de dez centímetros a mais de distância entre os eixos, o espaço interno permite que cinco pessoas adultas se acomodem de forma melhor. Além de apresentar um novo painel e ótima qualidade nos materiais internos, com bons arremates, seu interior transpira ares de requinte. Mimos, como sistema multimídia, incluindo câmera de ré, GPS mais eficiente e televisão digital (que apenas recebe imagens com o freio de segurança acionado), são o ponto alto da tecnologia empregada.

No quesito segurança, o Corolla não abre brechas. Conta com cintos de segurança de três pontos e apoio de cabeça para todos, airbags dianteiros, laterais e (acreditem) para os joelhos do motorista.

Na mecânica, os motores do modelo anterior permaneceram: dois litros – 2.0 XEi – (segundo informações do fabricante, Gasolina – 143 cv – 19,4 kgfm; Etanol – 154 cv – 20,3 kgfm). Infelizmente, com nem tudo ‘são flores’, peca em alguns pontos: não possui controles de estabilidade e tração, o que deveria constar num modelo desta categoria. Outro ponto são os sensores de estacionamento e chuva, que simplesmente não foram inclusos.

Com todos os seus prós e contras, o Corolla 2015 agrada o público e, muito provavelmente, permanecerá com os atributos já conhecidos que deram fama à categoria. Ainda assim, apresenta os mesmos defeitos de marcas japonesas: valor alto pela marca e conceito.